Sample Sidebar Module

This is a sample module published to the sidebar_top position, using the -sidebar module class suffix. There is also a sidebar_bottom position below the menu.

Sample Sidebar Module

This is a sample module published to the sidebar_bottom position, using the -sidebar module class suffix. There is also a sidebar_top position below the search.
História

Search our Site

Fruto da acção de civilizações diversas que se sobrepuseram, deixando-lhe marcas sucessivas, como estratos arqueológicos, e configurada por contingências mais ou menos felizes da História pátria, a história de Condeixa começa a desenhar-se a partir do século II a.C., com a emergência da cidade luso-romana de Conímbriga. Os vestígios dessa presença romana, onde se lêem sinais de um ancestral encontro de culturas, podem ainda hoje ser admirados nas ruínas e no Museu Monográfico de Conímbriga.

 

Volveram-se séculos, sucederam-se povos - uma depressão económica fez agonizar o império romano, motivando a sua degenerescência; o século V trouxe consigo as invasões bárbaras; o domínio muçulmano da Península Ibérica impôs-se, a partir do século VIII. Ao tempo da afirmação da fé cristã, pela Reconquista, e após a recuperação dos territórios de Coimbra, pela espada de Afonso III das Astúrias, Conímbriga seria abandonada de forma definitiva e os escassos habitantes que dela não desertaram, viriam a constituir Condeixa, no vale a norte.

 

No início do século XIII (1219), a existência do lugar de Condeixa-a-Nova surge atestada por documentação; nela aparece referenciado, pela primeira vez, este topónimo, muito embora o povoado devesse existir já no século XII, presumivelmente fundado pelo Mosteiro de Santa Cruz na sequência das acções de repovoamento territorial da região de Coimbra. Naquele remoto século XIII, Condeixa-a-Nova estaria então circunscrita ". a um pequeno lugar, de área não superior a 800 metros quadrados, a crescer entre a actual igreja e a Rua Nova.".

 

Acrescido por doação de terras, o lugar de Condeixa-a-Nova, de importância crescente, conhece um desenvolvimento extraordinário que dois acontecimentos do século XVI denunciam: a concessão de um foral em 1514 por D. Manuel I e a constituição da freguesia de Condeixa-a-Nova, em 1541.

 

Nesta época quinhentista, os avultados proventos económicos que a expansão marítima realiza, fazem o país conhecer a abastança. A próspera Condeixa vai-se vestindo de roupagens fidalgas, com a edificação de palácios e solares, de famílias nobres. Um outro indício do seu desenvolvimento, apontado já nos finais do século XVIII, traduziu-se no reforço da sua importância viária com a reconstrução e alargamento da estrada real (Lisboa-Condeixa-Coimbra) - actual IC2 - pela qual circulava a mala-posta.

 

No século XIX, porém, Condeixa foi palco de movimentações de forças belígeras que interromperam bruscamente o seu progresso. Assim sucedeu com a terceira invasão francesa, pela qual a freguesia, saqueada e incendiada, conheceria o violento rasto de destruição deixado pelas tropas de Massena, que não poupou nem os palácios, nem mesmo a Igreja-Matriz. Por outro lado, as lutas intestinas que sacudiram o país durante o período de instauração do Liberalismo fizeram voltar a soar os acordes marciais.

Só em meados desse século, Condeixa-a-Nova alcançaria a emancipação administrativa que reclamava e que chegou por intermédio da rainha D. Maria II que, em 1838, a eleva a concelho (benesse que será suspensa e definitivamente restaurada em 1852) e, por fim, à categoria de vila em 1845.
logo

Apoios



Câmara Municipal de Condeixa


Câmara Municipal de Ansião


Câmara Municipal de Penela


Câmara Municipal de Soure


Câmara Municipal de Pombal


Freguesia de Condeixa a Nova


Freguesia de Condeixa a Velha


Freguesia BendaFé


Freguesia de Vila Seca


Freguesia do Furadouro


Freguesia do Zambujal

Room Booking

Thanks for staying with us! Please fill out the form below and our staff will be in contact with your shortly.